História da Paróquia Senhor Bom Jesus

 

 

Um “Sonho” da comunidade

 

 

HISTÓRIA

IGREJA BOM JESUS "Dá Capela a Paróquia"

22-08-1852- Freguesia de S.Rita do Paranahyba-GO

Parágrafo: 1º

Antônio Rodrigues ficou gravemente enfermo e seu irmão: João Rodrigues fez uma promessa á Santa Rita dos impossíveis, de fazer uma Capela com este nome: Santa Rita dos Impossíveis e promover todos os meios para a criação de um ARRAIAL,seus votos sendo atendido cumpriu sua promessa, pois julgara humanamente impossível a cura obtida.

Parágrafo: 2º Limites.

Parágrafo: 3º A população é de 8 á 10 mil almas.

Parágrafo: 6º (...) na divisão da fazenda Santa Bárbara, os doadores já haviam falecidos, não havendo nenhuma documentação e testemunhas ficou para os descendente dos primitivos doadores.ESTA FAZENDA SANTA BÁRBARA já tinha o nome de: ARRAIAL DO BOM JESUS, havia algum madeiramento para a Capella e atualmente tem um cemitério que sendo em terra alheia ficou sendo particular. Se notando também que os descendentes dos 1º doadores, hoje condomínio na fazenda de Santa Bárbara, reconhecendo o dedo de Deus na família, doaram 70 alqueires de campo na dita fazenda, para a criação d’um arraial com a mesma denominação de ARRAIAL DO SENHOR BOM JESUS DA CANA VERDE. Esta idéia surgiu do principal doador José Alves Pereira Carlota e sua mulher: Maria Augusta Marques (foram vendendo até reduzir a zero, pois doaram em palavras e não documentavam os seus desejos)

 

RESOLUÇÃO Nº 621 DE 12 DE ABRIL DE 1880

 

CRIA UM DISTRITO DE PAZ NA CAPELLA DO SENHOR BOM JESUS, FILIAL Á FREGUEZIA DE S ANTA .RITA DO PARANAHYBA. (ASS.: ARISTIDE DE SOUZA SPINOLA)

FONTE: Ano XLIII GOYAZ, SÁBADO 17 de abril de 1880. NÚMERO 31-CORREIO OFFICIAL.

 

A PARTIR DE: 1916, o comando da Paróquia de Itumbiara ficou com o Padre Florentino Bermejo, 42 anos; deu também assistência religiosa ao POVOADO DE BOM JESUS; animando as festas de maio: São Sebastião e agosto: Senhor Bom Jesus, fazia: casamentos e batizados. Pe. Florentino, era querido e estimado nesta cidade de: BOM JESUS; quando ele aqui chegava era recebido com alegria, animação, queima de fogos e artífices; a harmoniosa Banda de Música de Santa Rita do Paranaíba, hoje Itumbiara-GO; barraquinhas com doces e salgados, bebidas e muitas prendas para o grande leilão. Tudo para edificar a igreja. Os carros de bois, cobertos de lonas e couro de vaca curtido, traziam as famílias das fazendas para a festa... Na 2ª feira era celebrada de manhã a Santa Missa dos romeiros, aí todos voltavam para suas casas abençoados, alegres e felizes, assim nos fala a tradição.

 

1920-1924-Os habitantes do povoado: BOM JESUS-GO reuniam-se na casa de Dona Carolina Vieira da Motta para rezar o terço e partilhar.

 

1925 Construíram a igrejinha coberta de palha. Primeira festa religiosa organizada por Dona Maria de Almeida Saraiva(Dona Mulata) em homenagem ao Sr. Bom Jesus em meado de maio.

 

ATA DE 22-06-1926 Visita pastoral da V.Ex.ª Rev.ma Bispo Diocesano: Dom Emmanuel Gomes de Oliveira. Além das recomendações particulares deixadas ao Reverendo Vigário: Florentino Bermejo a seguinte observação entre outras, que ao menos duas vezes por ano faça o Revmo Vigário uma visita ao sítio denominado BOM JESUS, onde promoverá a CRIAÇÃO DE UMA CAPELA filial a capella de S. Sebastião de Bananeira, indispensável para a catequese do povo das imediações além da grege paroquial que se deverá atender aos extremos da sua paróquia

 

1927- agosto, dona. Maria de Almeida Saraiva promoveu a 2ª festa religiosa em louvor ao Senhor Bom Jesus, seu padroeiro. Em volta da IGREJINHA foram surgindo alguns ranchos de pau-a-pique coberto de folhas de buritis, iniciando, assim o povoado “BOM JESUS”

1927-Criou o povoado de BOM JESUS, na Jurisdição do Município de Goiatuba-GO.

 

1934- 3ª festa religiosa em louvor ao “SENHOR BOM JESUS” promovida pela Carolina Vieira da Motta, na nova igreja de telha, com uma cruz de madeira na frente e o coreto. Nesta festa ficou fixado os meses das tradicionais festas: MAIO: São Sebastião e AGOSTO: Senhor Bom Jesus (Foto da igrejinha). PADRE Florentino Bermejo, se fez presente em todas as festas, aconselhando, batizando, celebrando missas e casamentos. Foi ele quem celebrou a 1ª missa no povoado

 

Pioneira na Região

 

ESCRITURA DE DOAÇÃO PURA E SIMPLES

 

 

“31 DE DEZEMBRO DE 1934, LIVRO Nº 02, ás fls.: 80| 83 V;”

Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos, Protestos e Tabelionato 2º de Notas-Comarca de Goiatuba - Estado de Goyaz.

“DOADORA: Carolina Vieira da Motta, analfabeta, viúva, proprietária..”

“PROCURADOR: Dr. Álvaro Xavier de Almeida, brasileiro, solteiro médico...”

De outro lado, como outorgado donatário, a Prefeitura Municipal de Bananeiras, Estado de Giyaz”

CAROLINA VIEIRA DA MOTTA, DOOU 06 ALQUEIRES E 80 LITROS DE CAMPO, SITUADO NA Fazenda Santa Bárbara deste município para a prefeitura Municipal de Bananeiras onde existe a CAPELA do mesmo nome do povoado “BOM JESUS.”

 

 

 

Mapa dos Rios de Bom Jesus

A origem do nome: “Bom Jesus da Cana verde”, dado ao povoado e a igrejinha “Senhor Bom Jesus da Cana Verde”. Esta idéia surgiu do principal doador atual para construir uma Igreja com este nome: Arraial do Senhor “Bom Jesus da Cana Verde” “doador atual” porque muitos doaram um pedaço da Fazenda Santa Bárbara sem documentação... quem pronunciou pela primeira vez este nome foi José Alves Pereira Carlota e sua mulher Maria Agusta Marques. Assim fala o documento da freguesia de 1852 parágrafo 6º.

 

 

Túmulo de:

Honorato José da Motta

Carolina Vieira da Motta

Sobre o túmulo existe uma pedra mármore quebrada e corrida pelo tempo com os seguintes dizeres:

"Aqui jazem os restos mortais de Honorato José da Motta

Nasc. 26 de dezembro 18...9

Falecido em 28...

Saudades sua esposa

Ore por elle”.

Conforme depoimento de pessoas antigas conhecedoras da história desta cidade “O túmulo foi danificado quando mexeram para colocar Carolina Vieira da Motta junto com seu esposo. Honorato José da Motta”.

 

 

 

 

 

ADEUS

 

 

Carolina Vieira da Motta, faleceu!..

A notícia se espalhou rapidamente no povoado e região. O povo já esperava, pois ela estava doente há vários meses, porém inacreditável... Os rostos se entristeceram e as lágrimas rolaram silenciosamente nas faces... Sentiam-se naquele momento órfãos, pois o motor que impulsionavam tudo no povoado acabara de apagar... Hora tremenda, tempestade inexplicável, realidade chocante... Todos choravam a mesma dor...

Seu rosto sereno, tranqüilo e alegre fortalecia o povo que ali chegara para velá-la e concluíram: Carolina NãoMORREU, ela vive para a eternidade...

Carolina, receba no paraíso, o nosso muito obrigado, reconhecimento e gratidão por tudo que se fez para o crescimento material e espiritual do povoado de Bom Jesus.

Deus seja a sua recompensa.

Uma Paroquiana

 

 

HOMENAGEM

 

Coração nobre cheio de ardor

Abrasava de amor ao SENHOR BOM JESUS

Rodeada de pessoas humildes com humor

Orava ao Bom Jesus seu protetor

Lutava por um povoado melhor

Iluminada, intercedia ao SENHOR BOM JESUS

Naturalmente guiada pela luz

As margens do Ribeirão Bom Jesus

 

Veio de onde? – Ninguém sabe

Inteligente partilhava o que sabia

Ensinando receitas do que fazia

Irradiando paz, amor e alegria

Rígida consigo todo mal destruía

Agia com fé e amor no dia-a-dia

 

Doava de si o máximo que podia

Através do terço, ensinava a ave Maria

 

Modesta vivia

Olhando sempre para frente com alegria

Trabalhando com ardor

Trocando idéias com amor

Amando todos com fervor

               Uma paroquiana

 

 

DESAFIOS

 

O povoado foi crescendo desordenadamente ... os problemas também foram aparecendo...a pobreza lado a lado do progresso privilegiado pela minoria (a pecuária e a agricultura). A violência ...(era difícil o final do mês que não havia uma ou duas mortes). Os corpos, muitas vezes eram encontrados dentro das valetas de enxurradas). Não havia nenhuma atração: cinema, vídeo-game etc. Porém, havia miséria, fome, dor, muita violência e abandono. Pe. Florentino Bermejo, só aparecia quando chamado.

No povoado, muitos não conseguiram conquistar seu espaço e nem também no campo, atirados como objetos no lixo, nos barracos de folhas de buritis em total e extrema miséria (andarilhos). Assim, se transformou o povoado em total abandono das autoridades civis, militares e eclesiásticas. É na dificuldade que se cresce e amadurece...

A igreja mãe avaliou tudo isso e muito mais, assumindo tarefas perante Deus e a comunidade ali existente de criar novas mentalidades e abrir novos horizontes e caminhos a respeito ao outro, suas opiniões, jeito de ser, pensar, agir e crer, dando assim, mais assistência religiosa.

“O povo tinha fé...” A fé é uma virtude que ajuda formar cristãos comprometidos: com a transformação do modo de viver e ser. Aos poucos foi desenvolvendo o verdadeiro espírito de justiça e fraternidade...

“É praticando as obras de misericórdia que se ganha á vida eterna” assim concluiu: Pe. Irandes Carlos Ferreira na sua homilia (festa de Cristo Rei).

 

Uma paroquiana

 

FAZENDO NOVOS IRMÃOS E IRMÃS

 

O povoado crescia desordenadamente a mercê... Então surgiu a necessidade de fazer a 1ª planta do povoado que se encontra na página seguinte.

O povoado nunca deixou de fazer a festa de maio: São Sebastião e agosto: Sr. Bom Jesus.

Em todas as solenidades Pe. Florentino Bermejo se fez presente alegrando, animando incentivando o povo para trabalhar, a fim de terminar a construção da igreja inacabada.

 

 

 

TU ÉS PEDRO...

(MT 16, 18...) IGREJA VIVA

 

 

 

O povoado crescia em todos os sentidos... Vamos construí-lo com pedras desiguais. Algumas são redondas como lua cheia, outras pontiagudas como picos cristalinos, muitas parecem cortadas aprumo, outras são perfeitas formas geométricas. Também há algumas informes.

Cada pedra tem sua história. As redondas vêm dos rios. Rolaram anos e anos no meio das correntes sonoras das águas cristalinas, outras são rochas firmes que rolaram pelas ladeiras das montanhas. Algumas foram extraídas de pedreiras, propositalmente dinamitadas.

Todas elas são tão diferentes pela origem, pela história e pelas formas, como o povoado de Bom Jesus que se foi formando de pessoas que vieram de lugares e lares tão diferentes, com suas medidas e personalidades únicas.

Com tão peculiares personalidades, tiveram que adotar posições apropriadas para se ajustarem e conviverem da melhor maneira possível, mantendo assim, um esforço enorme de adaptação, perdendo até mesmo suas personalidades para ajustarem-se melhor no conviver do povoado.

Não foi tarefa fácil. Um muro de pedra e cimento se levanta com facilidade. Também sobem rapidamente as paredes com pedras quadradas, redondas ou pontiagudas, mas para construir um povoado, no amor, precisa-se de muita união e solidariedade, pois foi necessário o esforço de cada um... Uma paciência ardente e uma esperança inquebrantável dos missionários, Pe. Florentino Bremejo e outros. Aqui o Senhor Bom Jesus, esteve sempre presente... As pedras foram se ajuntando, Deus abençoando e protegendo, o povo crescendo, na amizade com Ele, Pedra Angular

 

 

 

SAGA DE UM PASTOR

(...)20 de dezembro de 1965-Pe. Florentino Bermejo, faleceu, em Itumbiara-GO. Os bonjesuenses choraram a perca deste grande homem que hoje está nos céus orando pelo seu povo, o qual ele viu nascer e crescer. Deo Grátias.

 

“ATA DA CRIAÇÃO DA PARÓQUIA DO SENHOR BOM JESUS E POSSE DO 1º PÁROCO

 

01-06-1975- ás 09 horas, na Capela do Senhor Bom Jesus, em Bom Jesus de Goiás, Estado de Goiás, deu-se a criação da paróquia do Senhor Bom Jesus e posse do primeiro pároco, na pessoa do Padre Agemiro Gusso, pelo Senhor Bispo Diocesano de Itumbiara DOM JOSÉ LIMA’’

Pe. Agemiro, fez; o conselho paroquial, campanha de agasalho, curso de batismo, ultreya, preparação para a 1ª Eucaristia, grupo de jovens, encontro de casais, curso arte culinária, curso para noivos, mini-encontro para casais, festa de S.Sebastião e Sr.Bom Jesus,curso de batismo e cursos para jovens.

Em 27 de fevereiro de 1976 ás 16:h em um belo dia de sábado, desembarcaram nesta cidade três Irmãs para iniciar um trabalho com o Vigário Agemiro Gusso.

 

 

Agemiro Gusso

 

 

Foram elas; Irmã Odete, Irmã Olíria e Irmã Conceição de Jesus, juntamente com a Madre Provincial, Irmã Lília...

06 – 09 – 1962 – Primeira missão em Bom Jesus: Padres Redentoristas

 

 

 

 

 

 

 

11 de março de 1977, início das Santas Missões pregada pelos Padres Redentoristas de Goiânia Padre Cloves, Antônio Jurandir. Foram 10 dias de bênçãos e graças, ouve várias palestras, celebrações, catequese para crianças etc.

 

24-01-78 á 28-12-79- Pe. Domingos Altoé , nomeado pelo Bispo Diocesano D. José Lima

 

 

 

 

 

0

 

 

 

01-01-1981 Frei Basílio Henrique Pexinin,

capuchinho; nomeado

pelo Bispo D. José Lima

 

10-05-1983 Rev.mo Sr. Pe. Frei Vital Aresi, O. F. M. nomeado por D. José Belvino do Nascimento para ser o braço direito do Vigário: Pe. Frei Basílio H. Pexinin,O.F.M. Cap. Na construção do Reino de Deus, nesta querida paróquia.

 

 

 

 

 

 

 

30-12-1983- Posse: Pe.Antônio Firmino Lopes de Lana, nomeado pelo D. José Belvino.

 

 

2-01-1984- Pe. Antônio, formou a comissão paroquial, novos bancos para a Matriz, trouxe para Bom Jesus a conferência S. Vicente de Paulo, no dia 04 de fevereiro de 1984, imagens e alfaias. Imágens: Senhor dos Passos 100 cm e Nossa Senhora das Dores 100 cm no valor de CR$80.000,00 cada, encontros de casais, festa de S. Sebastião, novo carro, Bancos para Marcianópolis, reforma da Matriz, nova iluminação, cadeira para o celebrante, reencontro de casais, tarde de oração,Semana Santa, (85), mês de Maria, festa de S. Sebastião, crisma,Congresso Eucarístico, primeira comunidade de base em Bom Jesus GO e outras. Construção da Capela S. Vicente de Paulo, na Vila Mutirão,novas portas para a Matriz, renovação das salas de catequese, nova aparelhagem de Som para a Matriz. Construção: Igreja de S.Sebastião. Ampliação e reforma do Salão Paroquial. 30-12-83 á 10-01-8

 

 

 

 

10-01-1987-Pe. Joaquim de Jesus Rocha Cavalcante, nomeado pelo D. José Belvino do Nascimento. Semana Santa, mensagem ao povo de Bom Jesus, informativo: cidade de Bom Jesus 24-02-87. BJ Notícias - Mensagem da Páscoa 25-03-87, Campanha da Fraternidade. Festa de S . Sebastião em maio, missas nas capelas rurais e outras. 10-01-1987 á 10-02-1988.

 

 

 

 

 

 

 

 

17-02-1988 a 15-03-1996- Pe. Inazir Marques e o Seminarista: Divino. Aos pouco foi fazendo amizade, sua frase preferida: “EU GOSTO DE VOCÊ” Semana Santa. Assistiu as comunidades rurais. Festas do Senhor Bom Jesus e Mártir S. Sebastião. 1º encontro de jovens, (60 jovens presentes), crisma, batizado e 1ª Eucaristia, curso de catequese para a formação de novos catequistas, reuniões com os cursilistas, escolinha da fé, curso de noivos, reunião com a CEBs, derrubou o Galpão Velho e construiu outro de estrutura metálica, trocou o telhado do Salão Paroquial e fez pequenas reformas, comprou telhas para reformar o telhado da Velha Matriz e a casa paroquial. Fundou o Grupo de Jovens Calvário e etc.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

15-03-1996-Pe. Irandes Carlos Ferreira,

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto da Nova Igreja inaugurada dia 26/05/2012

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos inauguração da Nova Matriz 26/05/2012

 

 

 

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!